Eu no FACEBOOK

terça-feira, 5 de maio de 2020

CRÔNICA DO CORONA - CORDINHA NA PADARIA

CRÔNICA DO CORONA




                                          CORDINHA NA PADARIA

                                              Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas

Ontem, à tarde, subi a rua pra comprar o pão e me encontrei com Seu José, idoso, morador do bairro, parado na esquina, indignado com o que viu no interior da padaria.

Bravejava, gritando aos quatro ventos, que o estabelecimento estava afugentando os clientes, porque colocaram uma cordinha distanciando a pessoa do balcão, por conta do Corona.

Um vizinho tentou explicar ao Seu José que aquilo era pra proteger os clientes de contaminação, em época de pandemia, porque estamos todos em quarentena.

Nada do que foi dito, fez o nosso sexagenário se aquietar, continuou censurando a atitude da padaria, gritando: " não volto lá enquanto mantiverem a cordinha, separando a gente do balcão."

No dia seguinte, vi o velhinho na esquina espreitando quem passava em direção à padaria e resmungando: “vai até a cordinha?”

Que pena! O cidadão não entendeu os alertas das autoridades sobre os cuidados com a saúde, em tempos de pandemia.

Todas as tardes subo aquela rua para ir à padaria e não mais vi pelas imediações aquele senhor que não concordara com a “cordinha” no balcão do estabelecimento.

Fiquei a perguntar, o que pode ter acontecido àquele homem? Será que adoeceu?

Quando não compreendemos as coisas, as orientações, dificilmente nos adaptamos às novas situações que a vida nos apresenta.

Adaptar é uma forma de superar o infortúnio, o imprevisto. Quem não se adapta corre o risco de sucumbir.

A adaptação é uma lei. Ou se adapta ou não se adapta.

Passados alguns dias, lá estava o velhinho ranzinza, já mais calmo na esquina. Perguntei a ele o que havia ocorrido, tinha sentido a sua falta. Ele me respondeu que tinha ficado doente, mas por sorte não era a epidemia, tinha sido uma forte gripe.

Aliviado me disse que, agora, compreendia porque a “cordinha” estava separando os clientes da padaria do balcão e era muito grato àqueles que se preocupavam com a saúde e bem-estar dos idosos, principalmente.

Muitos ainda não se deram conta que numa quarentena a colaboração ajudar a todos a superar os momentos difíceis que devemos enfrentar, porque, em realidade, vivemos em sociedade e não estamos sozinhos neste Planeta. Uns dependem dos outros e todos nos ajudamos mutuamente. Os humanos não vivem isolados, vivemos em comunidade e num Mundo Global que é nossa “casa”.

Em tempos de pandemia “ficar em casa” é o que se deve fazer. Assim impediremos que esse inimigo invisível continue a contaminar a muitos. Que muitas “cordinhas” sejam colocados em todos os cantos para distanciar esse inimigo invisível e destruidor.

***




Nenhum comentário:

LINKEDIN

LINKEDIN
CONSULTA pelo WhatsApp (31) 99612-2347

Marco Aurélio Chagas

Marco Aurélio  Chagas
Sócio Fundador desde 1976

CONSULTA pelo WhatsApp

CONSULTA pelo WhatsApp
(31) 99612-2347 - AGENDE UMA CONSULTA

Eu no Twitter

LIVROS DE MINHA AUTORIA

LIVROS DE MINHA AUTORIA

CUNHA PEREIRA & ABREU CHAGAS - Advogados Associados

Palestra: PROCESSOS

Palestra: PROCESSOS

Meus Livros

Seguidores

HISTÓRIA DO ESCRITÓRIO

HISTÓRIA DO ESCRITÓRIO
ABREU CHAGAS & TARANTO