Eu no FACEBOOK

segunda-feira, 11 de maio de 2020

CRÔNICA DO CORONA - ALÔ VOVÓ





                                                           ALÔ VOVÓ…


                                            Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas

Em tempos de quarentena, por força da pandemia do Coronavírus, o ônibus estava bem vazio, não passavam de sete passageiros, cada um sentado confortavelmente nas poltronas do coletivo, muito diferente do que acontece em dias normais.

A moça ao celular falava com toda a naturalidade, sentada numa poltrona dentro do ônibus, à noitinha, alheia totalmente aos poucos passageiros que atentamente ouviam a conversa.

- Vó, sabe a calcinha, aquela que você me deu... estou usando... você não tem noção de como é confortável! Fabiana disse que é coisa de vó.

- estou, Vó, indo para casa, cansadíssima. Pela manhã dei aula particular para um aluno com dificuldades em matemática e à tarde tive que resolver um assunto no banco. Esse paradeiro está um sufoco.

E assim, seguiam todos ouvindo aquela moça conversando com sua vovó, durante um bom tempo, no trajeto daquela condução, se dirigindo do centro para o bairro.

Uma senhora idosa, ouvindo aquela conversa tão espontânea fazia cada expressão facial, ora de riso, ora de assombro entremeada com uma fisionomia de susto.

Alguns sorriam. Outros fingiam que não estavam ouvindo, mas era quase impossível, porque a menina se expressava num tom bem alto, talvez porque imaginava que a vovó, no outro lado da linha, não a estivesse ouvindo muito bem. E, por outro lado, o ônibus estava bem vazio.

Despediu-se da vó e fez, em seguida, outra ligação, agora, para a amiga íntima. Aquela que é companheira das confidências.

- querida, não acredito! Como ele pôde? É um mentiroso. Não te respeita. Você acreditou no que ele disse?

- amiga todos são assim. Não se preocupe, o tempo dirá o que você tem que fazer.

Alguns passageiros não se continham e até se inclinavam para a frente, a fim de ouvir melhor. Outros, pelas expressões do rosto, demonstravam que não estavam entendendo bem o que acontecia.

Finalmente, a garota deu o sinal e desceu com o celular ao ouvido e o que se passava do outro lado da linha ficou na imaginação dos ouvintes curiosos.

Como as pessoas se interessam por saber da intimidade de outras, como também há aquelas que facilmente expõem gratuitamente a sua intimidade, sem medir as consequências dessa atitude, muitas vezes por distração e, sem se dar conta, de que estão em um ambiente público!

A discrição é, em verdade, uma virtude que protege o ser de exposições desnecessárias e que garante a vida íntima da maldade alheia.



Nenhum comentário:

LINKEDIN

LINKEDIN
CONSULTA pelo WhatsApp (31) 99612-2347

Marco Aurélio Chagas

Marco Aurélio  Chagas
Sócio Fundador desde 1976

CONSULTA pelo WhatsApp

CONSULTA pelo WhatsApp
(31) 99612-2347 - AGENDE UMA CONSULTA

Eu no Twitter

LIVROS DE MINHA AUTORIA

LIVROS DE MINHA AUTORIA

CUNHA PEREIRA & ABREU CHAGAS - Advogados Associados

Palestra: PROCESSOS

Palestra: PROCESSOS

Meus Livros

Seguidores

HISTÓRIA DO ESCRITÓRIO

HISTÓRIA DO ESCRITÓRIO
ABREU CHAGAS & TARANTO